terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Desmostylus

Desmostylus hesperus, animal semelhante a uma mistura de hipopótamo com pinípede. Foi um mamífero aquático que habitava áreas de litoral e estuários, uma vez que sabe-se que se alimentava tanto de vegetação marinha quanto de água doce.

Diferente dos outros desmostílios Paleoparadoxia e Neoparadoxia, Desmostylus provavelmente poderia se sustentar em terra firme.

Modelo em porcelana fria/biscuit. Escala 1:8.







quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Ludodactylus

O epíteto específico deste pterossauro, "sibbicki", foi uma homenagem ao paleoartista John Sibbick.

Clique aqui para conferir a página sobre este pterossauro no site Pteros.

Pintura digital (Wacom Intuos + Photoshop).



sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Camarasaurus

Camarasaurus lentus, um dos saurópodes mais bem estudados graças aos inúmeros espécimes descobertos. A relativa abundância de seus fósseis também demonstra que este foi o saurópode mais comum de seu ambiente.

Modelo em porcelana fria/biscuit. Escala 1:28.










quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Thalassodromeus

A cena ilustra um Thalassodromeus sethi caçando um Mirischia asymmetrica.

Este pterossauro foi, de início, considerado um piscívoro que, para apanhar os peixes, sobrevoava o mar "cortando" a água com seu bico (daí seu nome, que significa "Corredor do Mar"), como faz a ave talha-mar; estudos posteriores concluíram, porém, que esta hipótese é implausível.

Na realidade, as proporções dos talassodromídeos são similares às dos azdarquídeos, os quais acredita-se terem caçado em terra firme, vasculhando o ambiente atrás de presas. Tais proporções, somadas a um grande crânio dotado de um poderoso bico, podem ser indicadores de que o Thalassodromeus era um predador de pequenos a médios animais terrestres.
,
Wacom Intuos + Photoshop



quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Harpactognathus

Harpactognathus gentryii é um pterossauro que viveu nos EUA durante o Jurássico Superior. Ele é conhecido apenas pela parte anterior do crânio, e este fragmento revela características peculiares para um pterossauro Rhamphorhynchoidea: tamanho relativamente grande, com uma envergadura estimada em 2,5 m, e a possível presença de uma crista (indicada por uma elevação óssea percorrendo o crânio, similar às que sustentam cristas de tecido mole em outros pterossauros).

Clique aqui para conferir a página sobre este pterossauro no site Pteros.

Pintura digital (Wacom Intuos + Photoshop).



quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Arte de Criança

No clima do Dia das Crianças, hoje é postada uma pequena escultura feita em 2005, quando eu tinha 11 anos de idade. Embora brincasse de modelar desde mais novo, esta é a mais antiga peça que ainda tenho guardada, o que a dá um imenso valor sentimental.


quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Eudimorphodon

Um pterossauro do Triássico com cerca de 1 m de envergadura. Eudimorphodon ranzii possuía tipos diferentes de dentes: em 1/3 da boca, à frente, eles eram longos e cônico; nos outros 2/3, eram curtos (exceto dois pares maiores na maxila) e dotados de cúspides.

Esta ilustração é minha primeira contribuição com o site Pteros, uma rica enciclopédia online sobre pterossauros. Clique aqui para conferir a página sobre o Eudimorphodon.

Pintura digital (Wacom Intuos + Photoshop).



quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Protosphyraena

Protosphyraena perniciosa, um peixe do Cretáceo que possui notáveis semelhanças a um atual espadarte. Estes, porém, não possuem parentesco próximo, e o Protosphyraena faz parte da família Pachycormidae, a mesma do enorme Leedsichthys.
Modelo em escala 1:12.








segunda-feira, 12 de setembro de 2016

sábado, 3 de setembro de 2016

Tiktaalik

O Tiktaalik roseae foi um sarcopterígeo (peixe com nadadeiras carnosas) que mostrou em si uma importante etapa da transição da vida na água para a terra. Apesar de possuir características típicas de um peixe, ele dispõe também atributos que seriam vistos, posteriormente, em tetrápodes, como a articulação no pulso.
Modelo em escala 1:3.